Interior da Igreja Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores - Rio de Janeiro.

ORLA CONDE, PARTE 3 – HISTÓRIA, RELIGIÃO E ARTE.

Vamos completar nosso passeio pela ORLA CONDE. Vamos pisar em terras onde também pisaram Imperadores, imperatrizes e muitos escravos.

Como chegar na Orla Conde?

A melhor forma de chegar na Orla Conde é usar o Metrô e o VLT.

Vá até uma estação do Metrô e pegue o trem da Linha 1, até a estação Carioca. Saia da plataforma seguindo as placas da Acesso A – Rio Branco. Ao sair da estação caminhe em frente até a rua principal e vire à esquerda. Na terceira rua à esquerda você vai encontrar a Parada Colombo do VLT linha 2. Pegue o trem sentido Praça XV e dessa na Parada Final. Você vai estar no ponto onde começa a nossa terceira e última  parte de nosso passeio à pé pela Orla Conde, ou Boulevard Olímpico.

Você também pode ir de ônibus, mas para isso vai precisar da ajuda de um aplicativo. Aconselho que você baixe no seu celular o MOVIT. Ele localiza onde você está, indica onde fica o ponto mais próximo, a linha de ônibus que você precisa pegar e acompanha você durante a viagem, indicando, com um alerta sonoro, o ponto em que precisa descer.

Acompanhe no mapa onde ficam os pontos em destaque aqui na conclusão desse passeio. Os números entre parênteses no texto  a seguir, estão marcados no mapa indicando a localização de cada atração.

Orla Conde. Um passeio pela História do Brasil.

Passando pelo Espaço Cultural da Marinha(1), chegamos à Praça XV de Novembro(2). Praça Quinze, para os cariocas.

Esta praça foi palco de muita história. No século XVI, foi o principal  ponto de desembarque de escravos africanos na cidade. Em 1808, Dom João desceu do navio Príncipe Real, passou para uma galeota e desembarcou com a família Real no cais da Praça. Em 1888, aconteceram, aqui, as maiores comemorações pela assinatura da Lei Áurea. E, em 1889, foi aqui que a família Real embarcou para o exílio, após a proclamação da República.

Apesar dos prédios modernos, em volta da praça, várias construções da época do império estão preservadas, como as que estão marcadas na ilustração, de 1830, abaixo. Veja como era a praça naquela época e compare com as imagens atuais nas fotos abaixo. Clique na imagem para ampliar.

Ilustração de 1830, da atual Praça XV. Orla Conde.
CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

O Chafariz de Mestre Valentim (3).

Chafariz do Mestre Valentim. Orla Conde. Praça XV.
Chafariz do Mestre Valentim. Praça XV.

Bem no meio da praça fica  uma das mais belas obras de arquitetura do período colonial: o Chafariz (3) construído por Mestre Valentim. Ficava na frente do cais e, por suas escadas passaram a família Real e grandes autoridades da época e centenas de escravos vindos da África.

Hoje, depois de sucessivos aterros o Chafariz de Mestre Valentim se encontra bem distante do mar.

Bares, restaurantes e boa música, num dos pontos mais interessantes e divertidos do Centro do Rio.

Um pouco mais a frente, à direita, vemos um prédio branco com um grande arco. O Arco do Teles (4). O prédio foi construído pela família Teles de Meneses, na mesma época da construção do Passo Imperial.

Arco do Teles, Rio de JaneiroFoi sede do Senado da Camara até que um grande incêndio destruiu tudo. O incêndio, de grandes proporções, mobilizou até o Vice-rei que correu para ajudar no combate ao fogo. O prédio foi reconstruído mas, hoje resta apenas um pedaço da fachada e o Arco.
ARCO DO TELES - Praça XV, Rio de JaneiroPassando pelo Arco entramos na Travessa do Comércio com seu calçamento antigo e casario do século passado, ocupados, em sua maioria, por bares e restaurantes, alguns com música ao vivo.

Casa CarmemNeste prédio, na Travessa do Comércio, 13, funciona o Restaurante e Karaokê Club Carmem Miranda. Aqui, a “Pequena Notável” morou com a mãe, que era dona de uma pensão de refeições.

Travessa do Comércio, Rio de Janeiro
Bares da Travessa do Comércio, Rio de Janeiro

Nas noites dos fins de semana as mesas, colocadas no meio da rua, lotam e transformam o local num ponto de encontro e descontração.

Cinco igrejas numa caminhada de 400m.

Igreja de N. Sra. da Lapa dos Mercadores (5)
igreja_de_nossa_senhora_da_lapa_dos_mercadores_fachada_ii

Espremida entres os prédios antigos, a igreja foi construída por comerciantes e moradores da região por volta de 1750. Seu interior é belíssimo.Interior da Igreja Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores - Rio de Janeiro.

O curioso aqui é que, em 1893, durante a “Segunda Revolta Armada” contra atos do então Presidente Marechal Floriano, a torre da igreja foi atingida por um tiro de canhão, disparado por um navio de guerra. A Estátua de Fé, toda de mármore, que representa fé cristã, despencou da torre sobre uma casa e atravessou o telhado vizinho. Milagrosamente, sofreu pequenos danos na mão esquerda e na cruz que carrega. Hoje,  estátua e  projétil , estão expostos no Hall da igreja.

Igreja  da  Irmandade  da  Santa  Cruz  dos  Militares (6)Igreja da Irmandade da Santa Cruz dos Militares, Rio de Janeiro.

O local onde se encontra hoje,  era ocupado por um forte que foi desativado e em seu lugar ergueu-se uma capela onde o militares fundaram uma irmandade. Só em 1811, com a presença do Principe Regente, Dom Pedro I, foi inaugurada a Igreja que substituiu a antiga capela.Interior da Igreja Santa Cruz dos Militares - Rio de janeiro

A igreja colonial  possui o privilégio de ter sido agregada à Basílica Vaticana, desde 1923, pelo papa Pio XI.

Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo (7)Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo

A igreja foi concluída e 1770 mas a torres só ficaram prontas em 1850.  A fachada é única entre as igrejas coloniais do Rio de Janeiro por ser totalmente revestida com pedra. carmo_03-aOs portais frontais e laterais com medalhões em pedra com a Virgem e o Menino, vieram de Lisboa. No interior esculturas de Mestre Valentim.

Igreja   de   Nossa   Senhora   do   Carmo   da Antiga Sé (8)Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo

Com a chegada da ordem Carmelita ao Brasil, por volta de 1590, foi inaugurada a pequena Capela da Ordem do Carmo. Só em 1761 foi construído o templo atual.

Interior da Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé - Rio de JaneiroA Igreja foi palco dos mais importantes momentos da história do país. Em 1816 a Igreja ganhou novo sino e nova torre para aclamação de D. João VI como  rei.

ORGAOMais tarde, foi palco da coroação dos imperadores D. Pedro I e D. Pedro II, e de todos os casamentos reais, como o da Princesa Isabel com o Conde D’Eu.

Igreja São José (12)Igreja São José, Centro, Rio de Janeiro

Sua origem é uma pequena capela erguida em 1608, chegou a ser Matriz e Sé do Rio de Janeiro, passou por várias obras e reformas e em 1842 foi inaugurada como conhecemos hoje. No arquivo da Irmandade, um do mais importantes da cidade, estão livros que pertenceram à confraria dos carpinteiros e pedreiros do Rio de Janeiro, a confraria de São José.

Centro Cultural Paço Imperial (9)Centro Cultural Paço Imperial, Rio de Janeiro.

Ocupa o prédio do Paço Imperial, tombado pela Patrimônio Histórico Nacional. Recebe mostras de  pintura, fotografia, escultura, cinema, música. O Paço tem uma biblioteca de arte e arquitetura – Biblioteca Paulo Santos além de várias lojas e um café/restaurante.

Construído no século XVI como residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro, passou a ser  a casa de despachos, sucessivamente, do Vice-Rei do Brasil, do Rei de Portugal Dom João VI e também residência eventual dos imperadores do Brasil.

Foi no Paço que, a 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I decidiu ficar no Brasil e não voltar a Portugal – Dia do Fico. Também foi numa das salas do Paço que a Princesa Isabel assinou  a Lei Áurea, libertando os escravos.

Convento do Carmo (10)Prédio do antigo Convento do Carmo

Bem em frente ao Paço está o prédio que abrigou o Convento do Carmo. O prédio começou a ser construído em 1619. E ficava ligado ao Paço, através de um passadiço e encostado na Igreja de Nossa Senhora da Sé. Para abrir a atual Rua Sete de Setembro, uma parte da lateral do Convento foi demolida. Em 1958 um incêndio destruiu o prédio. Mais tarde, um moderno edifício foi construído mantendo apenas uma parte do antigo prédio do Convento.

Palácio Tiradentes (11)Palácio Tiradentes - Assembléia do Rio de Janeiro.

Aqui fica a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. O prédio foi construído em 1926, no mesmo local onde antes ficava o parlamento imperial e a  “Cadeia Velha”, onde eram abrigados os presos do período colonial e onde também esteve preso, por três anos, o inconfidente Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradentes), enquanto aguardava a execução na forca.

Faça um tour virtual e conheça a belíssima arquitetura do Palácio.

Museu Naval e Oceanográfico (13)Prédio do Museu Naval, Rio de Janeiro.

Vamos seguir pela rua que passa entre o Palácio e a Igreja São José. Na próxima esquina, à direita, está o prédio centenário do Museu Naval.

Em seu acervo, modelos navais, obras de arte, canhões resgatados de navios naufragados, figuras de proa, medalhas e documentos históricos em uma exposição que ocupa sete salas do andar térreo.

A entrada é franca.

Retomar o caminho da Orla Conde em direção ao Museu Histórico Nacional, ponto final de nosso passeio. Mas, antes vamos dar uma rápida passada por um dos pontos mais importantes e que é considerado um marco da antiga cidade.

Um pedacinho do passado preservado na primeira via pública da cidade. 

Ladeira da Misericórdia, Rio de Janeiro.

Neste lugar começava a subida para o Morro do Castelo e a cidade, recém fundada por Estácio de Sá, foi transferida para cá por volta de 1567. A Ladeira da Misericórdia (14) foi construída nesta época, mantém o calçamento original, em pé-de-moleque e é a rua mais antiga do Rio.Ladeira da Misericórdia, Rio de Janeiro. Em 1878 haviam 11 prédios na ladeira. Em 1920 o Morro do Castelo foi demolido e serviu de aterro para uma boa parte do Caminho que percorremos na Orla Conde. A ladeira foi o único pedaço que restou do Morro.

Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso, Rio de Janeiro
Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso, Rio de Janeiro

Bem ao lado  da Ladeira, está a igreja mais antiga do Rio. A história da Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso começa com a construção, em 1585, da Capela da Misericórdia. A Igreja como vemos hoje foi reconstruída em 1780.

Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso, Rio de Janeiro

A igreja guarda três retábulos e o altar da antiga Igreja de Santo Inácio que foi demolida junto com o Morro do Castelo. As peças, de 1620, são as maiores preciosidades artísticas do Rio de Janeiro:  são os únicos da cidade e dos poucos do Brasil esculpidos em estilo maneirista, anteriores ao barroco, ainda conservados.Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso, Rio de Janeiro

Chegamos a última parada de nosso passeio.

Museu Histórico Nacional.Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro

Criado em 1922, é um dos mais importantes museus do Brasil. Reúne um acervo de mais de 348.515 itens, expostos em 10 exposições permanentes e outras exposições itinerantes. A exposição “As Moedas contam a História“, reúne a maior coleção de numismática da América Latina.Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro
O conjunto arquitetônico que abriga o Museu teve como base o Forte de Santiago, na Ponta do Calabouço, um dos pontos estratégicos para a defesa da cidade do Rio de Janeiro.

Uma visita que vale a pena conferir.

HOME

3 opiniões sobre “ORLA CONDE, PARTE 3 – HISTÓRIA, RELIGIÃO E ARTE.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *